Uso de biodiesel já destruiu quatro milhões de hectares de florestas

12/07/2021 11:46

A integração de biodiesel no gasóleo dos carros europeus provocou, em dez anos, uma destruição de florestas do tamanho dos Países Baixos e eliminou 10% do que resta de habitats favoráveis para os orangotangos, segundo indica o mais recente estudo da Federação Europeia de Transportes e Ambiente (T&E na sigla original), divulgado esta sexta-feira, 9 de Julho.

Num comunicado a propósito do estudo, a associação ambientalista portuguesa Zero, que faz parte da T&E, lembra que a directiva sobre energias renováveis de 2010 estabeleceu para cada Estado-membro uma meta para o sector dos transportes de 10% de energias renováveis até 2020, o que impulsionou a procura de biodiesel à base de óleo de soja ou de palma, culturas que deixaram de ser apenas para fins alimentares. Estes óleos são produzidos principalmente na Ásia e na América do Sul. Desde 2010, refere o relatório, a Europa queimou cerca de 39 milhões de toneladas de biodiesel de palma e soja nos seus automóveis e camiões, emitindo até três vezes mais dióxido de carbono do que através do gasóleo fóssil que substituiu.

Segundo a T&E, a União Europeia (UE) precisa de eliminar gradualmente até 2030 o apoio a todos os biocombustíveis a partir de culturas alimentares. A Zero defende como fundamental que os biocombustíveis sejam produzidos essencialmente a partir de resíduos. “Os óleos vegetais virgens como a colza, palma e soja, constituíram quase 80% da matéria-prima utilizada na produção de biodiesel na UE em 2020, sendo que a procura total aumentou, apesar de a procura global de combustível ter diminuído durante a pandemia”, salienta a associação no comunicado. 

A Zero, citando dados oficiais, diz que também em Portugal foi notória a aposta nos biocombustíveis nos últimos seis anos, das matérias residuais como os óleos alimentares usados (59% em 2020), aos óleos vegetais virgens, em menor quantidade. Dados oficiais indicam que, para o ano de 2020, em Portugal, se utilizaram mais de 32 milhões de litros de óleo de palma, correspondendo a mais de 10% do total de óleos utilizados na produção de biocombustíveis, quatro vezes mais quando comparado com 2017.

Francisco Ferreira, presidente da Zero, diz, citado no comunicado, que o aumento da procura de óleo de palma com efeitos destrutivos faz-se sem que os consumidores o saibam, sendo fundamental “eliminar no curto prazo os biocombustíveis de óleo de palma”.

Portugal, diz a Zero, tem uma enorme dependência em termos de importação de matérias-primas para a produção de biodiesel, mesmo quando se trata de matérias residuais como os óleos alimentares usados, cujo contributo nacional representa apenas 10,7%. Este valor é muito abaixo do potencial de recolha e indica que muito óleo usado ainda é deitado no esgoto, o que provoca também impactos ambientais negativos. 

Quanto ao óleo de palma, a associação ambientalista lembra que o Governo concordou em colocar restrições a biocombustíveis que o contenham a partir de 2022. E considera importante que, quando for transposta uma directiva europeia sobre fontes renováveis, essa restrição já esteja incluída.

É também fundamental, acrescenta, que “à luz do melhor conhecimento científico actual, exista uma definição clara da retirada de apoio à utilização de outras culturas alimentares insustentáveis para a produção de biocombustíveis, reduzindo os níveis de utilização de óleos alimentares virgens e consequente promoção de combustíveis avançados”. 

A T&E é uma organização não-governamental criada há 30 anos que defende um sistema de mobilidade sem emissões de dióxido de carbono.

Fonte: Público/Lusa

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *