Troço do IP3 entre os nós de Penacova e Miro reabre esta tarde

25/03/2022 10:18

O troço do Itinerário Principal (IP) 3 que estava cortado ao trânsito entre os nós de Penacova e de Miro reabre na tarde desta sexta-feira, dia 25, depois de três semanas de trabalhos naquela via que incluíram o desmonte de blocos de pedra de grandes dimensões.

Segundo a Infraestruturas de Portugal (IP), em nota de imprensa enviada à agência Lusa, a circulação rodoviária será aberta em ambos os sentidos, garantindo a reposição das condições de segurança.

“Esta intervenção de elevada complexidade técnica decorreu no âmbito da empreitada geral de estabilização do talude e da reabilitação da plataforma rodoviária do IP3, tendo obrigado à implementação do corte total do trânsito de modo a permitir uma rápida execução da obra e garantir as melhores condições de segurança”, salientou a IP.

Face aos trabalhos da empreitada, o troço municipal da Estrada Nacional 2, “situado na zona adjacente inferior ao IP3 neste local, esteve encerrado no período em que decorreram estes trabalhos” e será também agora reaberto à circulação automóvel, esclareceu.

Os trabalhos de estabilização do restante talude vão continuar a decorrer, “sendo por esta razão necessário manter o condicionamento de trânsito com redução de largura de via e limitação de velocidade entre os quilómetros 62,850 e 63,750, no sentido Coimbra — Viseu”, acrescentou.

“A concretização destes trabalhos garante um importante reforço dos níveis de serviço da infraestrutura rodoviária, disponibilizando aos milhares de automobilistas que diariamente percorrem o IP3 uma estrada promotora de uma mobilidade mais segura”, frisou a IP.

O projeto do Governo para o IP3 “passa pela duplicação desta via em 85% do seu percurso entre Viseu e Coimbra, ou seja, em perfil de autoestrada, sem portagens, ficando com três vias (2+1) em 12% do trajeto e apenas duas vias (1+1) em 3% do percurso”.

A requalificação dos 75 quilómetros do IP3 entre Viseu e Coimbra implicam um investimento total de 134 milhões de euros.

Em fevereiro de 2021, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, garantiu que, apesar de alguns atrasos nas obras, “não há nenhuma razão” para que a obra não fique concluída em 2024, como previsto.

Fonte: RTP/Lusa

Foto: Infraestruturas de Portugal

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.