Francisco Lopes visita obras em curso e deteta «graves problemas»

22/10/2021 18:12

O Presidente da Câmara Municipal de Lamego, Francisco Lopes, efetuou esta sexta-feira, dia 22, uma visita de trabalho ao conjunto de obras que estão a decorrer na cidade, concretizadas no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) de Lamego.

Durante esta deslocação, o autarca confirmou que «todas estas intervenções têm problemas, já identificados anteriormente, os quais é urgente serem rapidamente corrigidos pelo novo executivo municipal».

O autarca garantiu que vai solicitar à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) e à Comissão Diretiva do NORTE 2020 a reprogramação destas intervenções e o reforço da comparticipação financeira para cobrir os trabalhos não incluídos nas empreitadas e que são «indispensáveis».

O novo Presidente da Câmara Municipal iniciou o seu períplo pelas obras de construção do futuro Parque Urbano de Lamego que vai criar a maior zona verde pública da cidade, num investimento que ascende 3.979.244,22 € (+IVA), cofinanciado em 85% pelo FEDER.

No local, Francisco Lopes confirmou que existe «uma indefinição de um conjunto de trabalhos não incluídos nesta empreitada», nomeadamente a requalificação das margens da ribeira do Coura.

Logo a seguir, deslocou-se às obras de construção da passagem inferior sob o Escadório de Nossa Senhora dos Remédios que têm por objetivo retirar os veículos automóveis do centro da cidade e permitir uma ligação mais rápida à A24. «Trata-se de uma obra parcial que não resolve a entrada e saída de veículos de Lamego, continuando a manter-se, por exemplo, o estrangulamento rodoviário na zona do Retiro dos Passarinhos», lamenta o autarca.


Acompanhado pelo executivo autárquico e por diversos técnicos da autarquia, Francisco Lopes visitou em seguida as obras de requalificação da Rua Visconde de Arneirós que liga a Rua 15 de Março à Escola de Hotelaria e Turismo do Douro – Lamego (EHTDL). A utilização nesta empreitada de muros de gabião foi criticada por ser «uma zona nobre que devia merecer, na minha opinião, muros de granito», acrescenta Francisco Lopes. O facto da construção dos novos passeios não servir a zona do cruzamento de Chãos e o facto de terem sido mantidas as redes aéreas de eletricidade e de telefones, numa obra cujo valor ascende a 1 milhão e 300 mil euros, foram outras anomalias detetadas.

Logo a seguir, em visita às obras de requalificação do espaço público do Mártir de S. Sebastião e de Medelo, Francisco Lopes lamentou a construção neste local de passeios exíguos, mas que «já não podem ser corrigidos», e o «arrastamento das obras de correção dos graves prejuízos provocados pela queda de um muro que danificou diversos apartamentos na Urbanização Mártir São Sebastião, em janeiro último. “Temos de dar a este problema uma solução urgente», garante.

A visita de trabalho ao conjunto de obras concretizadas no âmbito do PEDU terminou com uma reunião com a empresa responsável pela requalificação do espaço público do Bairro de Nazes, intervenção ainda não iniciada, à qual solicitou que o arranque dos trabalhos no terreno seja feito o mais cedo possível.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *