ENTREVISTA: Praia Fluvial da Ponte da Balsa, entre o Paiva, Douro e Montemuro

22/08/2020 16:49

Flanqueda pelo interior e litoral, a localidade de Nespereira, em Cinfães, alberga mais uma área de lazer fluvial de relevo no distrito. Mário Leitão dá a conhecer um pouco melhor a freguesia que dirige.

A Praia Fluvial da Ponte da Balsa está situada num local rico em património natural, mas também histórico e gastronómico. Fale-nos um pouco mais da sua terra.

A praia a que se refere deve o seu nome a uma Ponte que, para além de bela, é o nosso chamariz. Depois, toda a área envolvente, aliada ao Rio Ardena, acaba por complementar esse espaço. É uma zona magnífica, de uma paz reconfortante, com um rio muito bem tratado e limpo. Segundo reza a história, houve um dilúvio há muitos anos que destruiu a ponte. Ela foi, mais tarde, recuperada, e construído um açude para que a água ficasse ali presa. Há, também, uma levada a jusante, que cria uma queda de água espetacular. Nas alturas de verão, as pessoas foram-se habituando a tomar ali banho. A área é actualmente composta por um parque de merendas e um local para fazer churrasco. Tem, também, um areal, usado muitas vezes para a prática desportiva, e uma ilha, aonde as pessoas se podem deslocar. Quanto a casas de banho, normalmente não existem. Só em determinadas alturas de festa é que esse equipamento é lá colocado. A manutenção do espaço está a cargo da Junta de Freguesia, que fica responsável, durante o ano, pela limpeza, corte da vegetação, recolha do lixo e pela colocação das comportas na devida altura.

Rodrigo Saldanha Fotografia
Rodrigo Saldanha Fotografia

Qual a lotação da zona?

Todos os anos, costuma lá realizar-se uma festa que dura uma semana, onde ocorre um festival de música. Nessa altura, concentram-se no recinto umas centenas largas de pessoas. Agora, com esta contingência que estamos a viver, devido ao Covid, com certeza que a lotação é mais reduzida, mas, mesmo assim, ainda lá cabem umas dezenas de pessoas espalhadas pelo espaço.

J. F. Nespereira

Quem são os vossos principais visitantes?

Em primeiro lugar, os nespereirenses, que conhecem o local e que gostam de ir lá tomar banho e fazer os seus piqueniques. Mas depois acabamos por receber muita gente de fora que procura conhecer novos pontos de interesse. Relembro ainda que, nesta altura, à semelhança do resto do país, recebemos também bastantes emigrantes. A festa que referi anteriormente e que se realiza em Agosto é já uma tradição em Nespereira. É ponto de reencontro e convívio muito aguardado pelos que estão no estrangeiro. As pessoas tiram férias, principalmente os jovens, para visitarem o local, estarem na festa e assistirem aos espetáculos. Infelizmente, este ano, não temos isso, mas, pelo que me dá a entender, os jovens estão na mesma a programar a sua vinda cá.

J. F. Nespereira

Como tem sido, este ano, com as adaptações exigidas por parte da DGS?

As pessoas estão muito bem elucidadas acerca das medidas que têm, elas próprias, de implementar para a sua segurança e dos outros. Obviamente, não deixamos inicialmente de afixar o plano de contingência e encerrar os locais. Mas, a partir do momento em que eles foram abrindo, foi-se deixando ao critério de cada um o cumprimento das regras, até porque não temos meios de controlar permanentemente o acesso ou como as pessoas estão a utilizar o espaço.

J. F. Nespereira

Que mais destaca ao redor?

Eu sou suspeito, mas Nespereira é uma terra muito linda. A começar pelas boas gentes, passando pelos vales, até à serra, com mais de mil metros de altitude. Sugiro, primeiramente, o nosso ex-líbris, o Parque Nossa Senhora de Lurdes, muito procurado, ainda mais este ano com as obras que foram sendo feitas. posso até dizer que vou lá quase todos os fins-de-semana, para não dizer quase todos os dias, e dá-me prazer ver as pessoas que visitam aquele local. E, cerca de 50%, desconheço. Não são de cá da freguesia, nem mesmo do concelho. É um local que ficou na moda, pois já é lindíssimo por si só, mais o bónus de se situar na margem do rio. Fomos afortunados com uma beleza natural, à qual se juntou a mão humana, originando um local único.

Rodrigo Saldanha Fotografia

Os primórdios do Parque remontam a 1896, quando o Abade Tomé, que era pároco da freguesia, construiu lá uma gruta com uma imagem de Nossa Senhora, réplica da Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, que se encontra em França. O local passou logo a ter bastante procura e ao longo dos anos foi alvo de  melhorias. No meu primeiro mandato, através de uma candidatura a fundos comunitários, juntamente com a ADRIMAG (Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Serras do Montemuro, Arada e Gralheira), realizou-se uma obra inaugurada pelo Ministro Miguel Poiares Maduro, em 2014. Por isso, este Parque é a menina dos meus olhos.

J. F. Nespereira
J. F. Nespereira
J. F. Nespereira
J. F. Nespereira

Depois, no ponto mais alto da freguesia, temos um miradouro natural, que é a Senhora do Castelo. Em termos de paisagem, é do mais lindo que podemos encontrar nas redondezas. Houve, inclusive, um rapaz que ganhou um concurso com uma fotografia tirada lá. Embora, para mim, não há fotografia que consiga captar a beleza do espaço, tanto de dia como de noite. Porque, por exemplo, de dia, se estiver o céu limpo, segundo dizem, consegue-se ver o Porto, uma vez que não há serra que tape a visão em direção ao litoral. De noite, há a imensidão do vale. Em altura de festas, consegue-se ver dezenas de fogos de artifícios em diferentes localidades. É espetacular.

Rodrigo Saldanha Fotografia

A Câmara Municipal de Cinfães tem um projeto em curso para melhorar o espaço, dotando-o de algumas infraestruturas que lhe fazem falta, como melhores acessos, casas de banho e uma torre que permitirá vistas ainda mais deslumbrantes. Se hoje já é uma atração importante, depois da obra concluída, que eu espero que seja para breve, será um ponto obrigatório no mapa turístico da região centro-norte.

Além disso, podem visitar as quedas de água da Falfa e Golas e desfrutar do património natural que propicia a pesca de recreio, caminhadas e passeios de BTT. Resta, ainda, a nossa gastronomia, com destaque para a raça arouquesa, que dá gosto deliciar-se com ela. Tudo boas e muitas razões para visitar Nespereira e o concelho. Fica, então, o convite!

J. F. Nespereira

Fotos: J. F. de Nespereira / Rodrigo Saldanha Fotografia

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.