COVID-19: Saiba as medidas que entram em vigor amanhã

22/08/2021 12:25

Portugal vai avançar do estado de calamidade para o estado de contingência, anunciou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva. Isto significa que o país vai passar para a segunda fase do desconfinamento já a partir desta segunda-feira, 23 de agosto. Conheça todas as novas medidas:

Medidas gerais:

  • Comércio, restauração e espetáculos culturais com horários normais, ou seja, até às 02:00 da manhã. Cumprindo as regras da DGS;
  • Apresentação do certificado ou teste negativo em viagens por via aérea ou marítima, estabelecimentos turísticos e alojamentos locais, restaurantes no interior ao fim de semana e feriados; 
  • Apresentação de certificado ou teste negativo ginásios e aulas de grupo, termas e spas, casinos e bingos; 
  • Apresentação de certificado ou teste negativo em eventos culturais, desportivos ou corporativos com mais de 1.000 pessoas (em ambiente aberto) ou 500 pessoas (em ambiente fechado);
  • Apresentação de certificado ou teste negativo em casamentos e batizados com mais de 10 pessoas.

Medidas em vigor a partir de segunda-feira:

  • Restaurantes, cafés e pastelarias passam ter limite máximo de oito pessoas por grupo no interior e 15 pessoas por grupo em esplanadas;
  • Espetáculos culturais com 75% de lotação;
  • Casamentos e batizados com lotação de 75%;
  • Os transportes públicos deixam de ter limitação da sua capacidade de lotação e passa a ser permitida a utilização dos bancos dianteiros no transporte em táxi e no transporte individual e remunerado de passageiros em veículos descaracterizados a partir de plataforma eletrónica;
  • a ocupação, permanência e distanciamento físico relativa à afetação dos espaços acessíveis ao público passa a ter máxima indicativa 1 pessoa por cada 12,5 m2.

A partir de 1 de setembro:

  • Serviços públicos sem marcação prévia; 

Continua ser obrigatório o uso de máscara ao ar livre, quando não seja possível manter uma distância de segurança. Esta decisão vai ter que ser tomada pela Assembleia da República.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *