Caminho Português Interior de Santiago já está certificado pelo Governo

26/10/2021 11:44

O Governo certificou o Caminho Português Interior de Santiago no âmbito de um trabalho de reconhecimento e preservação do património cultural e natural. Este caminho que se estende de Viseu a Chaves passa, ainda, no nosso distrito, pelos concelhos de Lamego e Castro Daire.

A portaria que certifica este caminho foi assinada pelas secretárias de Estado do Turismo, Rita Marques, e Adjunta e do Património Cultural, Ângela Ferreira.

O Caminho Português de Santiago Interior contempla uma extensão de 214 quilómetros, atravessando oito municípios: Viseu, Castro Daire, Lamego, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Vila Real, Vila Pouca de Aguiar a Chaves.

Já em Espanha, segue por Verim e liga, posteriormente, à Via da Prata, e finalmente a Santiago de Compostela.

«Os Caminhos de Santiago são de uma grande importância pois contribuem para a diversificação da nossa oferta turística e ajudam a desenvolver a atividade do turismo ao longo de todo o ano e por todo o território nacional, dois objetivos estratégicos que temos inscritos na nossa Estratégia de Turismo (ET) 2027», afirma Rita Marques.

Para Ângela Ferreira, «este trabalho vem, uma vez mais, demonstrar o lugar cimeiro do património cultural, reflexo da história na sua dimensão de encontro, diálogo e diversidade e, simultaneamente, rica em cooperação no interior do território e no que projeta para o mundo e, em particular, para a experiência do património europeu».

«Seguimos, por isso, com muito empenho, a certificação deste segundo itinerário do Caminho Português de Santiago, aos quais esperamos que outros se juntem a breve prazo», acrescentou a secretária de Estado do Turismo.

A definição do itinerário é apoiada em estudos publicados, trabalho de campo e pesquisa documental, o que inclui levantamentos do património cultural material e imaterial associado à peregrinação e culto jacobeu, onde se destacam as 24 igrejas ou capelas com orago São Tiago e os cinco albergues e hospitais históricos.

O plano de gestão contempla ações a desenvolver, entidades executoras, estimativa orçamental e calendário de execução, estando ainda previsto adaptar a sinalização existente e desenvolver uma rede de pontos de abastecimento de água potável.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *