ARTIGO DE OPINIÃO: (i)Literacia em Saúde: O Exame Médico-Desportivo

22/01/2022 17:30

No baú dos sábios ditos populares facilmente encontramos a importância de prevenir, seja porque é melhor que remediar ou porque é aí que está o ganho. E ganhar é verbo de eleição no desporto. Mas se a vitória e a derrota também fazem parte do vocabulário competitivo, há algo fundamental que não se pode perder – a saúde dos atletas.

Anualmente, são feitos milhares de exames médico-desportivos (EMD) que são uma exigência legal para praticantes e árbitros de federações dotadas de utilidade pública desportiva[1].  Esta avaliação não deve ser encarada como um fardo desnecessário na já burocrática vida dos clubes. A evidência científica mostra-nos que um EMD completo permite a identificação precoce de situações patológicas com impacto na redução de casos de morte súbita no desporto[2], o que é, com efeito, uma verdadeira vitória para todos.

Em que consiste o EMD?

O EMD deve ser realizado anualmente por um médico e culmina na aprovação ou interdição, temporária ou definitiva, do atleta para a prática desportiva, sendo a decisão ratificada com a assinatura e vinheta do profissional de saúde. 

É possível fazer uma abordagem tripartida ao exame médico desportivo[3].

A primeira parte, o cabeçalho, contém a identificação do atleta e o espaço dedicado à decisão médico-desportiva.

De seguida, há um momento de compromisso do atleta (ou do seu encarregado de educação/tutor) onde o mesmo assinala marcos da sua história clínica e confirma as declarações efetuadas com uma assinatura.

A terceira parte, composta por doze áreas, diz respeito à observação médica com avaliação da capacidade física do indivíduo para a prática, bem como riscos e benefícios associados. Dela faz parte um registo de eletrocardiograma podendo, em algumas situações clinicamente relevantes, ser complementado com outros exames (prova de esforço, ecocardiograma…).

Paradoxalmente, a parte mais pequena do exame é a “única que interessa” administrativamente. Ainda que se considere que a aptidão final deva ser uma validação de uma observação cuidada, sabe-se que nem sempre é assim. Apesar de uma vinheta ser suficiente para o atleta ir a jogo, o caminho que se percorre até lá nem sempre é o melhor. 

Porque é o EMD importante?

O EMD é importante porque possibilita a identificação de problemas, desconhecidos até então, que o exercício físico, sobretudo o intenso, pode expor[4]. E apesar do foco mediático incidir sobre as questões cardíacas, o EMD é uma oportunidade, por vezes única, para abordar outros temas importantes como a suplementação, as substâncias dopantes e a redução do risco de lesão, dando oportunidade ao atleta de expor as suas dúvidas.

É também por isto que, no momento de realizar o EMD, se devem procurar profissionais preparados para responder às necessidades de um desportista. Procurar médicos com a especialidade de Medicina Desportiva reconhecida pela Ordem dos Médicos[5]  ou pelo menos médicos com Pós-Graduação em Medicina Desportiva é um princípio no cuidado de qualquer atleta.

Que responsabilidade podem ter os clubes, família e profissionais de saúde? 

Os clube devem ser mais interessados nas credenciais do médico e não serem coniventes com práticas pouco éticas. A Ordem dos Médicos recomenda um tempo médio de 20 minutos para a execução do EMD[6]. Mais importante que a vinheta é a saúde de todos os atletas. 

A família deve envolver-se. A preocupação de como é feito o EMD é sinónimo de zelar pelo bem-estar dos jovens. 

Os profissionais têm o dever deontológico de prestarem o melhor serviço possível. As “linhas de produção em série”, com muitos EMD feitos em pouco tempo tendem a baixar o preço de cada consulta. Mas, têm um problema… Não sabemos qual pode ser o custo futuro! 

Neste caminho todos temos um contributo a dar para a segurança de todos no desporto. Bem se sabe que um atleta prevenido, com um bom exame médico-desportivo, vale por dois. 

Façamos, o que tem de ser, bem feito! 


[1] EMD | IPDJ

[2] Pre-participation screening of young competitive athletes for prevention of sudden cardiac death | American College of Cardiology

[3] Ficha para EMD | IPDJ

[4] Sudden Cardiac Arrest During Sports Activity in Middle Age | Journal of the American College of Cardiology

[5] Colégio da Especialidade de Medicina Desportiva | Ordem do Médicos

[6] Regulamento dos tempos padrão das consultas médicas | Diário da República

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.