ARTIGO DE OPINIÃO: Conhece Vasco Fernandes?

25/11/2021 18:30

Num destes dias resolvi efetuar uma pesquisa no Google com as palavras “pintor Viseu”. Fiquei imediatamente esclarecida sobre as empresas da região que se dedicam ao arranjo e pintura de paredes que, quando bem executada, pode ser uma verdadeira obra de arte! No entanto, não sendo bem isso que eu procurava, ao deslizar o cursor do rato, um pouco mais abaixo no rol da pesquisa, começaram a surgir indicações sobre aquilo que eu efetivamente pretendia: pintor no sentido de ser alguém que coloca num suporte uma linguagem visual própria, fazendo uso de pastas, pós, pigmentos coloridos… No meio de tanta informação, como que perdido no meio de tanta tecnologia, surgiu o nome de Grão Vasco. 

Ao longo da minha vida, por diversas vezes, tive que estudar a arte ao longo da história, tendo deambulado pelas obras, estilos e artistas que dela fazem parte. Quando o nome e a obra de Grão Vasco surgia, eu sabia que era uma das maiores referências da pintura portuguesa do século XVI. No entanto, na realidade, nunca tinha efetivamente refletido sobre a grandiosidade da sua obra. 

Tive plena consciência disso quando, há cerca de dois anos, visitei o Museu Grão Vasco, tendo-me sentado num pequeno sofá de uma sala em frente às pinturas do antigo retábulo da capela-mor da Sé de Viseu e calmamente as observei. Apesar de permanecerem algumas dúvidas em relação à sua autoria, é quase certo que o pintor Vasco Fernandes tenha tido a sua participação. Nestas pinturas, pude perceber a grande influência da pintura dos Países Baixos e a dedicação ao pormenor, assim como a preocupação de representar o espaço e os ambientes… e tudo isto feito para nós, simples observadores! Estas características mantêm-se presentes noutras obras atribuídas ao Mestre Grão Vasco, como o “S. Pedro”, talvez a sua pintura mais conhecida.

A obra de Vasco Fernandes é, de facto, magnífica e grandiosa e que vale a pena visitar. É um marco relevante na história de Viseu e do nosso país e, para além disso, tem uma outra vantagem: não é necessário internet para a ver, está mesmo aqui ao lado… no Museu Grão Vasco. 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *