ARTIGO DE OPINIÃO: A doçaria de feira e de romaria

02/11/2021 18:30

A região de Lafões tem uma longa tradição de doçaria associada às vivências religiosas, nomeadamente nas romarias de tantos santos e santas com diversos lugares de culto e peregrinação (Santa Luzia; Sra. Do Castelo; Sra. da Saúde; Sra. da Guia; São Cristóvão; São João; …). Os bolos secos, semelhantes a biscoitos, feitos à base de farinha de trigo, açúcar e ovos e cujo peso e tamanho podem variar de acordo com a especialidade, eram de fácil transporte, de longa duração, perfeitos para deslocar e vender nestas festividades ou nas feiras por toda a região.  

A “doçaria de feira” designa bolos pequenos, bolachas e biscoitos da doçaria regional que eram abundantemente vendidos nas feiras, festas e romarias de Lafões, até finais do século XX. Hoje ainda se encontram em alguns momentos festivos e nos mercados locais. 

De entre os doces mais reconhecidos e distintivos salientam-se os Caladinhos, os Bolinhos de Gema, os Belindres (ou Melindres), as Raivas (de Fataunços), as Cavacas, as Passarinhas e os Beijinhos.

A “doçaria de feira” é produzida com as receitas originais e sob métodos de confeção tradicionais, nomeadamente o cozimento em forno de lenha. Este tipo de doçaria tem sempre por base uma receita simples, de ingredientes básicos e acessíveis, estando o segredo do sucesso das receitas na temperatura e na manutenção da temperatura do forno de lenha, o que será determinante para a qualidade do produto final.

A “doçaria de feira” de Vouzela é vendida durante todo o ano, no mercado municipal e nos estabelecimentos locais. Ocasionalmente, pode também ser encontrada nas feiras e nos eventos gastronómicos da região, como o festival anual do doce, na vila de Vouzela, onde se apresentam as doceiras que ainda se dedicam a esta arte. 

A “doçaria de feira” é vendida em sacos ou à unidade. Este tipo de bolinhos secos, quando corretamente acondicionados, mantêm-se frescos e saborosos por vários dias.

O início da produção e do consumo da “doçaria de feira” não está totalmente definido na história local mas é certo que estes produtos eram muito comuns nos séculos XIX e XX, como comprovam diversos relatos de pessoas mais velhas e os arquivos fotográficos das Festa da Senhora do Castelo, alguns de 1904, onde muitas doceiras surgem nas imagens a vender a “doçaria de feira” nas canastras.

Também é sabido, que até meados do século XX, nas tabernas da região, o vinho tinto era servido em Cavacas, um bolo seco, impermeável e muito duro, com o tamanho e o formato de uma tigela.

Supõe-se que as receitas da “doçaria de feira” tiveram a mesma raiz que os afamados e delicados pastéis de Vouzela. Tudo indica que algumas das receitas foram trazidas por duas irmãs que se encontravam no Porto, a frequentar um convento das Clarissas, e que – ao que se pode apurar – vieram residir em Vouzela após a ordem de extinção dos conventos e dos mosteiros em Portugal, em 1834. 

Aqui iniciaram a produção e a venda de doçaria conventual, com algumas adaptações às receitas originais, como forma de subsistência. 

Estas irmãs foram as impulsionadoras da doçaria local e também foram professoras de algumas mulheres doceiras que passaram a dedicar-se a esta arte, da qual retiravam o sustento. 

Foi após 1940 que a doçaria local adquiriu elevado destaque e um forte desenvolvimento, sobretudo com o aumento da produção de Pastéis de Vouzela, o que tornou a doçaria num importante pilar económico da região, sobretudo para as mulheres.

Elementos documentais:

Pastel de Vouzela em livro, Município de Vouzela, edição 2017.

Carta gastronómica da região de Lafões, Confraria dos Gastrónomos de Lafões, 2016.

Receituário particular da doceira Maria Graciete Cardoso, Fataunços, Vouzela.

Sítio de internet do Município de Vouzela, em: https://www.cm-vouzela.pt/visitar/saborear/docaria-tradicional/

Sítio de internet da Confraria Gão Vasco, em: http://www.confrariagraovasco.com/a-docaria-tradicional-portuguesa/

Joaquim Pinheiro, Carmen Soares, em Patrimónios Alimentares de Aquém e Além-Mar, em: https://bityli.com/WvHOPo.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *