Aprovados 340 mil euros para combate à vespa asiática na CIM Viseu Dão Lafões

07/10/2021 15:58

A Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, no âmbito do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR), viu aprovada uma candidatura, com um investimento elegível de aproximadamente trezentos e quarenta mil euros, para a deteção e combate à espécie exótica invasora Vespa velutina (Vespa Asiática).  

O projeto consiste na implementação de ações dirigidas para a prevenção, vigilância e controlo da espécie sobre os ecossistemas e, em particular, sobre os serviços de polinização por eles suportados. 

Com arranque previsto para janeiro de 2022, esta operação prevê a instalação e monitorização de uma rede de armadilhas entomológicas, tendo em vista a deteção precoce da presença de exemplares ou ninhos de Vespa Velutina e o acompanhamento/estudo da sua dispersão por todo o território da CIM Viseu Dão Lafões. 

Este projeto que conta com a colaboração da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, prevê, ainda, a aquisição de equipamentos para a deteção e combate a esta espécie, incluindo armadilhas e feromonas, equipamento de proteção individual (EPI), kits de destruição de ninhos, hipsómetros e binóculos, bem como, a divulgação de procedimentos de monitorização junto de técnicos dos Gabinetes Técnicos Florestais e Serviços Municipais de Proteção Civil; técnicos de organizações de apicultores (associações, cooperativas); de caça; de produtores florestais; bombeiros; sapadores Florestais.

Para o Secretário Executivo da CIM Viseu Dão Lafões, Nuno Martinho, “A implementação deste projeto permitirá, não só, desenvolver uma estratégia intermunicipal de combate a esta espécie invasora, mas também aumentar o nosso conhecimento (tanto de técnicos como da população) sobre os hábitos desta espécie, permitindo a adequação de comportamentos e procedimentos a adotar quando detetada a presença da Vespa Velutina”. 

“Com esta iniciativa, a CIM pretende contribuir de forma direta para a mitigação dos efeitos provocados por esta espécie na atividade agrícola, bem como, para a segurança dos cidadãos e, ainda, para a minimização dos impactos sobre a biodiversidade e ecossistemas presentes nos catorze municípios da região Viseu Dão Lafões”, concluiu o Secretário Executivo. 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *